quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Como usar looks das passarelas, no dia-a-dia – Parte 3

Na coluna anterior, vimos mais três tendências que estarão presentes na estação que está chegando, as transparências, calças cigarrete e pantalona, e a saia longa, vimos também, como usar essas tendências no dia-a-dia.


Na coluna de hoje, continuaremos vendo como utilizar as tendências mostradas nas passarelas, em nosso cotidiano.



Tendência 8 – Linho e tons pastel



O tecido aparece principalmente em peças inteiras, como macacões e vestidos. É um tecido que se amassa fácil, mais assuma o amassado sem medo, fica um charme! De um toque especial nos looks com tons pasteis, usando uma make marcante. Ficam bem com jeans desbotado, e plataformas com salto de madeira, ah, vai bem com espadrilhes, que são o bambambam da estação, em se tratando de calçados.

Foi visto nas passarelas de Cantão, Osklen. Toten...



Tendência 9 – Estampas tropicais



Flores, frutas, araras e tucanos, estampados de vários tamanhos ficam perfeitos quando usados com peças neutras. As de pássaro bem grande, já são hit. Mas cuidado: evite looks todo estampado, para não ser confundida por aí como uma turista viu? Vai bem com jeans e peças mais urbanas como tênis e jaquetas.

Quem desfilou foram Ellus, Triton, Pedro Lourenço...



Tendência 10 – Color Blocking



A idéia de misturar peças lisas e de cores fortes, vem agradando há muito tempo. O verão convida a fazer combinações marcantes, acessórios na mesma paleta de cores, deixam o look mais atual. Invista em cores complementares, aquelas que são opostas no disco cromático. Como, azul e laranja, amarelo e roxo, verde e vermelho...

Vale investir em um sapato que contraste com o restante da roupa, está dentro da tendência.

Visto nas passarelas de Colcci, Cantão, Osklen...

Com esta e com as duas colunas anteriores, vimos que, “pessoas comuns” também podem usar o que é mostrado nos grandes desfiles de moda, do país e do mundo. Basta usar o bom senso e saber combinar as peças a serem usadas, para formar o look perfeito!

Pra fechar estas dicas de como usar as tendências das passarelas, vou deixar um vídeo, da campanha da Tritton verão 2012, repleto de tendências, dentre elas, as estampas tropicais, as franjas, as listras, o color blocking... que convenhamos, são a cara do verão.





quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Como usar looks das passarelas, no dia-a-dia – Parte 2

Na coluna anterior, vimos sobre quatro tendências que estarão presentes na estação que está chegando, as cores quentes, o mix de estampas, as franjas e o plástico e tecidos sintéticos, vim os também, como usar essas tendências no dia-a-dia.


Na coluna de hoje, continuaremos vendo como utilizar as tendências mostradas nas passarelas, em nosso cotidiano.



Tendência 5 – Transparências



As transparências virão com tudo neste verão. Mas, use-as com cuidado para não ficar vulgar. Se optar por peças totalmente transparentes, use algo comportado por baixo, ou, use peças que mesclam transperencias e tecidos fechados, como só a manga transparente, ou detalhes em meia peça. Fica bem com bodies e tops com jeitão de lingerie por baixo. Quem desfilou transparências foram as grifes: Maria Bonita Extra, Triton, Ronaldo Fraga...






Tendência 6 – Calça Pantalona e Cigarrete



A pantalona pode ser combinada com camisetas por dentro da calça, marcando a cintura, use-a com salto para alongar a silhueta.

A cigarrete, vai bem com tudo. Ah, você pode também improvisar sua calça curta, dobrando a barra de uma calça comum entre a canela e a panturrilha. Use sua cigarrete com tênis ou sapatilhas, para deixar bem a pele da perna à mostra.

As peças foram vistas nas passarelas da Colcci, Cantão e Animale com pantalonas, e Maria Bonita Extra e Alexandre Herchcovith com as cigarretes.


Tendência 7 – Saia Longa



A peça voltou à cena no inverno, e vai ganhar ainda mais força no verão. As mais cheinhas, e as mais baixinhas, ficam melhor com os modelos de cintura alta, que alongam o corpo. Se usadas com o top para dentro da saia, o efeito de alongar fica ainda mais visível. Boa parceria são regatas e peças justas, ou casaquinhos e camisetas largas. Nos pés, use botas sem salta, para o inverno, e sandálias rasteiras no verão. Vista nas passarelas de Osklen, Cantão, Tóten...




Vamos ver como foi o desfile da grife Osklen, no São Paulo Fashion Week, ela, mostrou diversas tendências para o verão, dentre elas, a saia longa.





Na próxima coluna, vamos ver mais tendências, para que, nesse verão usemos tudo o que foi visto nas passarelas, com classe e elegância.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Como usar looks das passarelas, no dia-a-dia – Parte I

Quando vemos um desfile, é difícil não se perguntar, como e quando usaremos as roupas que eles nos mostram. Nos desfiles, o que é mostrado são as tendências de cada estação. Detalhes, cores, peças, que serão utilizados nas roupas, acessórios, calçados e etc. não as roupas na integra.


Pensando nas adaptações de cada tendência, a coluna traz, ideias de como usar o que se viu nas passarelas, em nosso cotidiano. Como é muita coisa, vamos por partes e por tendência.



Tendência 1: Cores quentes




Neste verão veremos muito por aí, cores quentes como: vermelho, laranja e amarelo. Use em looks monocromáticos, tom sobre tom. Pode ser misturado com jeans e tons pastéis, caso queiram um visual mais discreto. Tendência foi vista nas passarelas desfilada por Colcci, Triton, Maria Bonita...




Tendência 2: Franjas

Use as franjas com moderação. De preferência em uma peça apenas do look. Ou, combine acessórios franjados. Franjas foram um clássico dos hippies, e agora, vem fortemente clássicas, chiques e modernas. Use com peças de couro, nas cores preto ou caramelo. Bela parceria. Tendência foi vista nas passarelas da Coca-Cola Clothing, da Cavalera, Huis Clos...




Tendência 3: Plásticos e outros tecidos sintéticos

Essa tendência pode ser usada em peças únicas, como vestidos ou também na versão jaqueta ou parka. Combina com roupas básicas e cores neutras, que não “brigam” pelo brilho. Foi visto nas passarelas da Colcci, Animale, Glória Coelho...




Tendência 4: Mix de estampas

Interessante é escolher uma estampa para ser o centro do look, e ir adicionando outras, secundárias. Misturar flores com bolinhas e listras, costuma dar super certo. Uma parceria que dá certo, é usar acessórios mais neutros e sóbrios, para não sobrecarregar a produção. Vimos a tendência na passarela da Neon, Salinas, Patachou...


segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Lançamentos do mundo dos esmaltes para o Verão 2011-2012


A coluna adianta para vocês, os lançamentos do mundo esmaltístico, que serão vistos na feira, e, em breve, nas lojas de todo o país. As apaixonadas por cores e novidades que se preparem, pois as coleções estão lindas, as marcas capricharam para o verão.
Colorama
A marca lança a Coleção Respeitável Público, que conta com as seguintes cores:
  • Estréia – Vermelho sóbrio.
  • Ha Ha Ha – Rosa.
  • Equilibrista – Lilás rosado.
  • Fantasia – Azul com brilho metálico.
  • Grande Atração – Coral intenso.
  • Nariz de Palhaço – Vermelho com toque de rosa.
  • Corda Bamba – Bege com reflexo acinzentado.
As cores são a cara da estação, contando com rosa, vermelho, coral e azul, que vêm com tudo novamente para o verão!
Todos os esmaltes da coleção são Hipoalergênicos, ou seja, quem tem alergia, pode usar tranquilamente, pois os esmaltes não possuem agentes como Tolueno e Formaldeído e Dibutilftalato, mais comuns causadores de alergia.

Impala
A nova coleção da Impala já chegou a algumas lojas da região, mais tambpem conta como lançamento, lá na Beauty Fair.  A coleção vem com um nome super empolgante, que nos remete às Discotecas dos anos 70-80, tendo como inspiração a Discoteca Studio 54 de Nova York. As cores:
·          
      Azul Pavão –  Azul petróleo cremoso, com microbrilhos holográficos.
·         Polaina Fun – Azul claro cremoso.
·         Patins – Areia cremoso. O nude da coleção.
·         Disco Ball – O brilho das meias e calças de Lurex são resgatados por esse esmalte. O glitter holográfico da coleção.
·         Sex Appeal – Duochrome lindo de viver. Reflete tons de marrom, rosa, lilás entre outras.
·         Listrado – Vermelho cremoso. A cara do verão.
·         Brilho Vinil –  Rosa perolado, com microbrilhos que fazem a cor ficar ainda mais intensa.
·         Garota Pop – Rosa claro cremoso.

Risqué
A Risqué tem nos surpreendido recentemente, lançando diversas coleções de arrasar. A marca lançou duas coleções primavera-verão: A nova da Penélope Charmosa com cores pasteis, a cara do verão, e a coleção I love my dogs que vazou recentemente na Internet, com cores super fofas, e os nomes são raças de cachorro.  
São as cores:

Penélope Charmosa:
·          
       Bonequinha Charmosa: Amarelo delicado e fashion.
·         Relax da Penélope: Azul pastel claro.
·         Armadilha Tropical: Tom verde tropical.
·         Apuros em Miami: Um laranja/coral.
·         Toque de Penélope: Tom nude com um toque rosado.

I Love my dogs:
·        
           Maltês: Azul esverdeado, fofo.
·         Poodle: Lilás.
·         Cocker: Nude rosado.
·         Vira-lata: Cinza claro.
·         Shar Pei: Rosa avermelhado, intenso.
·         Husky: Azul petróleo.
·         Chow Chow: Azul claro.

Esses são os lançamentos das marcas mais conhecidas e vendidas aqui no sul, quem mora em São Paulo, Rio de Janeiro... tem o privilégio de contar com diversas outras marcas de esmaltes, que podem ser adquiridos em lojas virtuais, eu, como uma boa viciada em esmaltes, adoro pesquisar marcas e cores novas. Agora, é torcer pra essas cores lindas chegarem logo na cidade.




Aproveitando que o assunto é lançamento, deixo aqui, um vídeo de lançamento da Chanel, incrível a criatividade e qualidade da apresentação das cores! Serve como inspiração.


quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Trend Hunters - Caçadores de Tendências

É aquela pessoa ou instituição que detecta uma influência que vai ser absorvida pelos consumidores em um curto espaço de tempo. Fazendo previsões como os oráculos do passado faziam com astrologia, os Trend Hunters geralmente são produtores de moda, estilistas ou coletivos de pesquisadores que farejam cada novidade em qualquer canto do mundo.


Sim, porque quanto mais viajado for o Trend Hunter, mais afinado será o seu faro, e o seu aceto. Muitas vezes as grifes que mais se destacam não tem apenas um estilista, mas um Trend Hunter que lidera uma equipe de estilistas e designers. Não vai demorar muito, alguma escola ou universidade de moda estará formando Trend Hunters (em Londres na Central Saint Martins College of Arts and Design), e em Barcelona já existem cursos.


O que eles caçam?
O objetivo é classificar, estudar, avaliar e acompanhar as principais tendências mundiais que afetem o comportamento e, por conseguinte, o consumo.


Como chegam às suas conclusões?
Aí mora o segredo. Quem é Trend Hunter, não entrega o ouro. Mas o custo vale a pena, para as grifes principalmente, uma boa consultoria pode, por exemplo, acertar a cartela de cores da estação, entre outras coisas.


Que são? Onde estão? E como encontrá-los?
O WGSN é muito amplo e percorre o mundo com seus hunters espalhados nos quatro cantos do planeta (são mais de 200 profissionais), estima-se que no Brasil existam de 65 a 70 assinantes. No mundo estima-se 2.300 a 2.600 clientes, entre eles, a Louis Vuitton, a Levis e a Armani que pagam rindo a assinatura anual de 25mil dólares. As brasileiras que investem são Santa Constancia e Motorolla.

Confira as profissões que agitam o mercado da moda

Além das profissões que requerem formação específica em moda, muitas outras estão relacionadas ao mundo fashion. Confira quais são elas e quanto se ganha:

Agente de modelo

A carreira está vinculada à explosão das brasileiras no mundo fashion. Essa profissional cuida da agenda e dos negócios de top models. É escolhida, freqüentemente, entre as bookers de agências de modelo, atividade que exige agilidade, capacidade de relacionamento e profissionalismo. Recebe treinamento da própria agência. Área limitada.

Remuneração: pode chegar a R$ 6.000. Uma booker em começo de carreira recebe entre R$ 500 e R$ 1.000.

Assessoria de imprensa

Conceitua, redige e divulga as informações sobre empresas ou profissionais da moda. Pelas suas características, o setor exige especialização do jornalista. Além de conhecer o negócio da moda em profundidade, deve manter uma ampla rede de relacionamentos entre formadores de opinião e jornalistas especializados. A formação básica em jornalismo precisa ser fortalecida com atualização permanente. A expansão da área está diretamente ligada ao crescimento do setor.

Remuneração: inicial em torno de R$ 1.500; o profissional experiente pode ganhar mais de R$ 5.000.

Cabeleireiro/ maquiador

Junto com o produtor de moda ou o estilista, define e concretiza o visual de cabelo e rosto de modelos para as áreas de jornalismo, publicidade e eventos. Os bons cursos existentes não substituem o estágio prático no início da carreira. Área em expansão.

Remuneração: pode variar de R$ 150,00 a R$ 2.000 por dia, de acordo com a reputação do profissional e da área. O salário pode chegar a R$ 10.000.


Comprador de varejo

Por trás da incrível oferta de roupas e acessórios das lojas multimarcas e de departamento existe uma pessoa capaz de equilibrar preço, beleza e qualidade na medida certa. É o comprador quem escolhe as peças e os fornecedores vendidos no varejo de rede, depois de pesquisar tendências e custos em vários países. E, para isso, ele precisa ser um misto de estilista, administrador e viajante profissional.


Consultora

A reciclagem profissional imposta pela modernização da área de moda abriu espaço para os consultores externos. Eles são necessários nas áreas de planejamento e desenvolvimento de coleções, pesquisa de perfil de consumidor, treinamento de equipes de compra ou venda, na implantação de processos de automação etc. Mas é uma área reservada para quem já tem muita vivência profissional.


Consultora de imagem

Dedicada inicialmente a cuidar da aparência de pessoas públicas (artistas, políticos, altos executivos), a atividade despertou o interesse de quem não depende da fama, mas gosta de aparecer bem. A consultora pode prestar um serviço completo, no qual estuda o perfil do cliente, define um estilo para ele e o assessora na montagem do guarda-roupa, na combinação das peças, no corte de cabelo e na maquiagem. Ou um atendimento isolado, para um evento específico. O sucesso na área depende de bons contatos.

Remuneração: a consultoria fixa a uma pessoa famosa pode ir de R$ 1.500 a R$ 3.000 por mês.


Desenvolvimento de produto

Presente em toda a cadeia produtiva da moda, este profissional desenvolve o conceito de um novo produto, cuida da introdução no mercado e de sua aceitação. Entre suas funções, prospecta novas idéias junto aos clientes, estrutura-a e, se aprovada, prepara-a para a produção. Para coordenar todo este processo, precisa entender da parte técnica do produto a ser desenvolvido assim como das ferramentas de marketing necessárias para colocá-lo no mercado.

Remuneração: varia muito de acordo com o porte e o segmento da empresa, mas é especialmente valorizado pelas grandes indústrias. Em início de carreira, pode ganhar por volta de R$ 1.000. Depois de alguns anos na profissão, pode ganhar mais de R$ 8.000.


Editora de moda

Responsável pelas reportagens de moda em revistas, escreve e coordena o trabalho de fotógrafos e produtores. Além da faculdade de jornalismo, deve ter boa noção de estética, fotografia e história da arte. Como cada publicação precisa de apenas uma profissional, as oportunidades de ocupar um cargo são bem reduzidas.

Remuneração: como o cargo exige muita experiência, o rendimento médio situa-se em R$ 4.000.


Estilista

Cria roupas e acessórios seguindo um conceito de coleção. O trabalho inclui pesquisa de tendências e de público, definição das modelagens, cores e materiais, seleção de fornecedores e acompanhamento da produção. Antes formada por autodidatas, a profissão conta hoje com inúmeros cursos e faculdades. Na indústria de calçados, esses profissionais estão em falta.

Remuneração: salário inicial entre R$ 800 e R$ 1.500. Um profissional de renome ganha mais de R$ 10.000.


Figurinista

Seleciona e desenha o guarda-roupa de peças e balés, novelas, filmes e peças publicitárias, adequando à época e às intenções do autor/diretor. Fora a base conquistada em curso superior de moda, o autodidatismo predomina. Exige dedicação e pesquisa incessante. Mercado super-restrito.

Remuneração: média salarial na televisão é de R$ 3.000. Fora isso, trabalha como autônomo, com remuneração muito variável.


Fotógrafo de moda

Responsável por concretizar em imagens as concepções que orientam uma seleção de roupas para uma reportagem de moda ou as coleções de uma confecção. O trabalho exige sensibilidade, cuidado estético e capacidade de planejamento, além de grande domínio técnico. A consagração depende de se encontrar um estilo próprio.

Remuneração: os cachês para iniciante podem começar em R$ 150,00. Um profissional consagrado negocia seus preços


Jornalista de moda

A consolidação do mercado de moda fez surgir o profissional que se dedica a escrever sobre o tema, da criação ao aspecto econômico. Geralmente, estuda a história da moda e tem preparação para cuidar da parte visual do trabalho jornalístico. O sucesso depende muito de estar ligado no que acontece em outros países, do que já foi moda no passado e da capacidade de avaliar as tendências.

Remuneração: salário inicial R$ 1.200. Um profissional de renome pode trabalhar para diversos veículos e ganhar mais de R$ 12.000.


Modelista

Passa para o papel a idéia de uma roupa e procura as soluções técnicas para desenvolver a peça. Concluída esta fase, faz a prova e os ajustes e passa o molde para produção. É um trabalho que exige muita precisão e, hoje em dia, grande experiência na área técnica, já que os dados de uma peça aprovada são processadas em computador, que faz a transposição para os diversos tamanhos.

Remuneração: salário inicial entre R$ 800 e R$ 1.000. Um profissional experiente ganha, em média, R$ 2.500.


Modelo

Exibe, em fotos, desfiles e em peças publicitárias, as roupas e acessórios das coleções de grandes estilistas e marcas ou produtos de beleza, no Brasil e no exterior. Trabalha também como personagem de fotos editoriais e publicitárias. A formação principal é dada pelas agências de modelo. Remuneração: Os cachês por trabalho para iniciantes podem variar de R$ 80,00 a R$ 500,00. Os cachês de modelos mais experientes e conhecidas são negociados caso a caso.


Produtora de moda

Trabalha com campanhas publicitárias, eventos e publicações, selecionando e organizando roupas e acessórios, procurando locações e escolhendo fotógrafo, maquiador e modelos. Sempre há procura por essas profissionais.

Remuneração: de R$ 800 a R$ 1.300 por mês para quem está começando. Pode chegar a R$ 5.000.


Produtor de desfile

Desenvolve a idéia e coordena tudo que envolve um desfile. Precisa saber dirigir uma equipe grande (luzes, técnicos, modelos, costureiras, maquiadores) para que tudo seja feito no tempo certo e sem erros. Não existe formação específica para a atividade. Em geral, os cargos são ocupados por profissionais que fizeram teatro, cinema ou TV.

Remuneração: o profissional recebe por trabalho, de acordo com o tamanho e a importância do evento. Com uma responsabilidade enorme, um diretor de desfile, se já for conhecido, pode ganhar muito bem. Em contrapartida, muitos jovens, para entrar no mercado, trabalham quase de graça.


Produção executiva de desfile

Função de quem cuida dos detalhes do evento - som, iluminação, organização dos participantes, platéia, infra-estrutura dos bastidores etc.


Vendedora

As lojas sofisticadas dos shopping centers e das grifes famosas trouxeram um novo status à vendedora. Dispondo de treinamento constante, elas aprendem a se comportar, a se vestir e a interpretar o perfil do cliente. São preparadas para atuar como consultoras, indicando o produto adequado em vez de empurrá-lo.


Fonte: http://www2.uol.com.br/aprendiz/guiadeempregos/primeiro/info/artigos_020201.htm

Pesquisa de tema - Projetos de Moda

Tema é a história, o argumento, a inspiração de uma coleção. Uma marca de moda é mais ou menos como uma Escola de Samba: a cada coleção traz um novo samba enredo, uma nova história a contar, mas mantém as características que são atributos da marca, ou seja, o seu estilo. Assim como a Mangueira sempre traz o verde e o rosa e a Portela sempre traz um carro alegórico referente a sua Águia, também as coleções devem sempre trazer aquele estilo pelo qual a marca é conhecida, seja ele divertido, sóbrio, ousado, casual, sexy ou romântico.




O que varia mesmo de uma estação para outra é o TEMA DE COLEÇÃO, que numa Escola de Samba seria o Samba Enredo, responsável pela inspiração das fantasias, adereços e carros alegóricos. Como na Escola de Samba todas as peças de uma coleção devem de uma ou outra maneira, remeter ao tema escolhido.



A maioria dos cursos de moda prega aos futuros designers que existe ampla liberdade na escolha dos temas para as coleções. Todavia, optar por um tema que não possa ser contextualizado às tendências de moda pode representar um risco à comercialização da coleção. Portanto, quando falamos em Estilismo Industrial devemos pensar em roupas com compromisso de vendas, pois não são meras criações artísticas, mas sim produtos de cuja comercialização depende toda a indústria. É aconselhável que o tema da coleção possa fazer uso de algumas tendências de moda diagnosticadas através de pesquisa.



A escolha do tema pode partir de pesquisas junto a escritórios de estilo (bureauxs) como o Promostyl, que aponta tendências de comportamento e focos de interesse dos consumidores. Tais serviços servem para nortear o trabalho do designer, mas a experiência comprova que muitos acabam escolhendo os temas de suas coleções baseados na própria sensibilidade e nas leituras das tendências atuais.



Uma coleção não deve se limitar a reproduzir as tendências pesquisadas no exterior. Ela deve ir além, apresentando uma proposta de estilo do seu criador, uma “cara” própria. Para isso o designer deve pesquisar o tema escolhido, buscando elementos de inspiração que possam ser transportados para as roupas. No exemplo citado anteriormente o estilista deveria fazer uma pesquisa iconográfica sobre índios norte-americanos. Na pesquisa ele poderá encontrar elementos interessantes para inserir na coleção, como o uso de penas em acessórios e acabamentos, a padronagem de um vaso de cerâmica pode virar uma estampa, a forma dos ponchos e palas podem se transformar numa saia de pontas, e muitas outras idéias.



Desta pesquisa podem também surgir idéias de locações para fotos, make- up para desfile, tipos de letras(fontes) para serem usadas na campanha de divulgação da coleção (outdoor, postais, mala direta, anúncios em revistas), ambientação de vitrines, etc.

Moda na web!

Atualmente, uma fonte de pesquisas e informações sobre a moda, tem sido a web! Esta gigante da tecnologia mundial, tem facilitado a vida dos fashionistas, estudantes e pesquisadores da moda.
A rede conta com diversos portais de renome, como WGSN, Trendwatching, Usefashion entre outros, que antecipam tendências,divulgam pesquisas, imagens para inspiração, que são acessados diariamente por quem tem a moda como profissão, e até mesmo por paixão.

Além dos portais, existem também os Blogs de estilo, que se tornaram populares entre os estilistas, e estudantes de moda, como fonte de informação, divulgação e inspiração para trabalhos e coleções.

Alguns sites e blogs, relacionados à moda, e o seu conteúdo:


http://www.wgsn.com/

Um dos maiores portais de tendências, não só de moda, mais do design mundial. A página conta com Notícias do design, da moda, do mundo todo, tendências, macrotendências, microtendências, imagens, marcas, e inúmeros outros itens que auxiliam mais de 36.000 usuários e 2500 empresas em todo o mundo.

O WGSN foi criado em 1998 e as informações geradas por cerca de 150 profissionais são como uma ‘bolsa de valores da moda’. Assim como há analise dos Investimentos financeiros, a moda é um mercado que também tem seus indicadores. Pensando nisso, estudos detalhados são oferecidos aos clientes para orientar a formatação de estratégias e criação de produtos. No Brasil são 125 clientes, entre eles a SPFW e a Rede Globo. Possui conteúdo exclusivo para assinantes.


www.usefashion.com

A UseFashion é uma empresa multimídia e multisetorial, líder no serviço de pesquisa e informação para o mercado da moda.

Realiza análise em profundidade de mercados locais e globais, apresentando interpretações direcionadas aos variados profissionais que fazem da moda e do design o seu negócio. Possui conteúdo visionário e de alto valor agregado, incentivando seus clientes no processo criativo e na tomada de decisões estratégicas.

Em seu mix de produtos estão o Portal UseFashion, o UseFashion Journal, UseFashion Newsletter e UseFashion Report; além de um amplo programa de Palestras e Workshops em todos os setores da moda.
Possui conteúdo exclusivo para assinantes.


http://www.fashionbubbles.com/

O Fashion Bubbles é uma revista eletrônica sobre moda, consumo, comportamento, tecnologia e negócios.
Cuja proposta é mapear as novas formas de interação, consumo e comportamento dos habitantes dos grandes centros urbanos, mediados pela moda e tecnologia. Os editores, colunistas e colaboradores vêm de mercados tão distintos como moda, finanças, auto-peças e educação, devido a isso o conteúdo é diversificado e a abordagem completamente própria. O site é no estilo Blog.


http://www.comunidademoda.com.br/

A Comunidade Moda é um site de pesquisa, informação e inspiração. Tem uma maneira diferente de dar a notícia de moda. Pesquisam, viajam, fotografam, consultam.

Acreditam que o diferencial de qualquer processo criativo está nos detalhes, na visão certa da inspiração e no foco de um briefing perfeito.

A principal característica da Comunidade Moda é sua proposta visual. Uma imagem forte sempre é uma fonte de inspiração de tema, cores , tendências e estimula o processo criativo.

O objetivo do site é procurar expor, não só a fundamentação teórica do tema, não só a possibilidade de aplicação a diferentes áreas, mas essencialmente procurar vislumbrar a via por que possa ser aplicada nas situações mais simples do quotidiano de um profissional que busca inspirações.


--- BLOGS ---

www.modasemfrescura.com -> A idéia, do MODA SEM FRESCURA, é relacionar a moda com outras formas de expressão: música, fotografia, arte, consumo e cultura pop. Ao fazer esse cruzamento, inevitavelmente a visão muda: a moda não está mais no centro do mundo, o mundo é que está no centro de todas as modas.

http://www.aboutfashion.com.br/ -> Possui como interesse discutir a moda nos seus mais variados aspectos, desde análise de desfiles e tendências, notícias sobre moda, comportamento, música, arte e mídia em geral, até reflexões um pouco mais profundas sobre moda e sua relação com outras mídias e a própria sociedade.

http://www.oficinadeestilo.com.br/ -> Blog de duas personal Stylist, que contam tudo o que acontece no trabalho.


Antes do estouro da Internet, no mundo da moda, os pesquisadores e estilistas utilizavam as revistas, jornais, novelas, viagens, como fonte de inspiração e pesquisa, hoje, é possível ver o que acontece no mundo inteiro (comportamento, cores, modismo, novidades...) sem sair do conforto do escritório, ou até mesmo de casa.


Mais sites:

http://www.carreirafashion.com.br/site/inicial/ - fala sobre oportunidades de emprego e noticias sobre a moda e o seu mundo.

http://www.chic.ig.com.br/ - fala sobre desfiles, tendências, novidades da moda.

http://erikapalomino.com.br/erika2006/index.php - possui informações sobre os desfiles, e novidades da moda.

http://estilo.uol.com.br/moda/ - site sobre moda, atualidades, desfiles e tendências.

http://www.guiajeanswear.com.br/novo_DESIGN/home.asp - fala sobre tendências, marcas e novidades do jeans.

http://www.personalstylist.com.br/ - Site com dicas, tendências e eventos.

http://glamurama.uol.com.br/Default.aspx - site com dicas de moda, feminina, masculina, link para blogs, eventos...

http://www.closetonline.com.br/default.asp - site sobre jornalismo de moda.


O desafio de inventar moda

De todas as áreas do conhecimento, a moda, sem dúvida tem chamado a atenção nos últimos anos. É uma fonte inesgotável de novidades que estimulam nosso desejo, e deixou de ser apenas sinônimo de glamour e frivolidade para se tornar um poderoso fenômeno social e de grande importância econômica. A moda é hoje, instrumento de estudo histórico e sociológico, além de ditar comportamentos e tendências.



Diante desta realidade, a área tem apresentado um constante crescimento e profissionalização, assim como um desempenho de expressivos resultados tanto no Brasil como no exterior. Em virtude desse fenômeno, observamos o surgimento de profissionais com perfis bastante distintos dos conhecidos até pouco tempo.


Mas, afinal, quem são os profissionais que circulam os bastidores e em alguns casos, sob os holofotes da moda?

O trinômio: tecnologia, criação e tendência é o principal eixo de sustentação da área, e o ingresso na profissão pressupõe muito estudo para o desenvolvimento do domínio técnico e da capacidade criativa.


Essas são características fundamentais para o sucesso em um mercado que, apesar de altamente competitivo, é democrático e oferece diversas oportunidades nas mais diferentes atividades.


Como fruto de sua seriedade e profissionalismo, muitos profissionais brasileiros têm seu talento reconhecido mundialmente, o que representa uma importante colaboração para consolidarmos nossa posição no mercado globalizado.


Então, mergulhamos fundo neste universo tão complexo e cheio de vertentes que é a moda, com a intenção de motivar a descoberta e a identificação de todo o potencial de um mercado que tem gerado as mais diversas oportunidades de trabalho no mundo inteiro.


As atividades de pesquisa de moda analisam a informação de áreas distintas como economia, política, sociologia, ciência e tecnologia, até chegar à formulação de prognósticos na forma de tendências.


Muitas variantes de uma mesma história se cruzam e entrecruzam, tornando-se parte do mesmo enredo, abordando uma etnografia da área e tendo por fio condutor a integração dos vetores numa grande engrenagem.


Na verdade, só depois de passar por um banho mínimo de informações, será possível chegar ao mercado e aplicar noções consistentes na escolha de postos de trabalho. A profissionalização no setor de moda, vale dizer, é recente e cresce na direta proporção do surgimento de vários cursos de especialização na área, o que antes, os profissionais usavam muito de seu instinto e da experiência adquirida no dia-a-dia de trabalho.


Ao sair da escola, já com um conhecimento básico de como funciona esse mercado, os estilistas deverão passar ainda por um processo de aprendizado adicional e entender que na moda tudo funciona com um pé plantado no presente e o outro no futuro.


Enquanto as pessoas estão preocupadas com o que vestir na primavera-verão, os estilistas estão de olho nas tendências outono – inverno e vice-versa. O trabalho do estilista não pára. Mal conclui uma coleção, já é hora de começar a preparar a próxima. Muitas vezes, nem mesmo uma coleção foi inteiramente finalizada e o estilista já está pensando alguns detalhes da que vem a seguir.


A melhor forma de obter informações sobre a moda é por meio das feiras internacionais, sobretudo as que acontecem na Europa e em Nova York.


Os estilistas devem viajar a Paris, Milão, Londres e Nova York, principais vitrines de tendências, para buscar inspiração e avaliar o que pode ou não ser adaptado. A moda é um negócio que gira milhões de dólares e por esta razão a maior parte das griffes fazem as suas coleções com base em uma ou mais tendências propostas pelos grandes criadores.


Com a globalização, as coleções em todo mundo apresentam-se com temas e inspirações muito semelhantes, o que acaba reduzindo a margem de erro do estilista. Os profissionais de moda costumam viajar para fora do país pelo menos duas vezes por ano: entre maio e abril, para conhecer a moda verão, e nos meses de setembro e outubro, para colher informações sobre o inverno do ano seguinte.


Muitas vezes os estilistas compram roupas no exterior e trazem peças para tirar idéias. Outros anotam detalhes interessantes de peças que mais tarde, vão aparecer em suas coleções. Muitos donos de confecção, estilistas e compradores visitam lojas e shoppings estrangeiros com cadernos e canetas. Há também quem prefira fotografar os modelos mais interessantes e outros que costumam andar com um gravador na mão, fazendo a descrição das roupas que estão vendo. As novas tendências podem tanto estar expostas numa vitrine quanto podem ser percebidas nas ruas.


Há, porém, uma alternativa mais barata do que as viagens. São as revistas estrangeiras, como Marie Claire, Elle, Vogue e Bazaar. Existem dois tipos de revistas: as internacionais de tendência e as que são periódicas e vendidas nas bancas. As de tendência como a italiana Collezionni, são consideradas bíblias para os pesquisadores. Geralmente são lançadas duas vezes por ano, acompanhando as estações primavera-verão e outono-inverno e publicadas com muita antecedência, pois servem de base para pesquisas. Trazendo fotos dos maiores desfiles realizados nas grandes capitais da moda, essas revistas são o meio de comunicação do que realmente foi mostrado nas passarelas, isto é, a produção dos estilistas.


Existem ainda os cadernos de tendências (bureaux de style) que estabelecem as diretrizes para a próxima estação, definindo os quatro pilares que determinarão a moda em todo o mundo: silhueta, tecido, cores e textura. As tendências de moda são apontadas pelos bureaux de style, porém são as revistas de tendência que as confirmam através das fotos dos desfiles de lançamentos das coleções.


As revistas periódicas vendidas nas bancas têm características diferentes. Em primeiro lugar, são lançadas com antecedência mínima, servindo para informar ao público sobre o que vai acontecer na moda dentro de um mês (muitas delas são mensais) e atualizar os profissionais da área. Em segundo lugar seu design de capa e seu conteúdo são finamente regulados com as tendências da estação presente. Assim, por meio delas o leitor fica sabendo sobre o que está à venda nas lojas (ou o que será vendido em breve), as cores que estão em voga, os lugares badalados, entre outras informações do dia-a-dia.


Tanto as revistas de tendência quanto as periódicas abrangem diferentes segmentos do mercado. As de tendência, por exemplo, dividem-se entre os setores masculino, feminino, infantil, de acessório e, agora até de marketing. A divisão das revistas periódicas dá-se de uma forma um pouco diferente. Por não serem veículos de pesquisa, mas direcionados ao público em geral, atendem a segmentos como: mulheres que gostam de moda, mas que também querem ler matérias em geral (Marie Claire), mulheres que “põem a mão na massa” (Manequim). Enfim, cada uma à sua maneira fornece informações atuais e pertinentes aos interessados em moda.


Por meio dessas publicações e da internet, os estilistas também ficam sintonizados com as cores, os tecidos e as padronagens que serão usados na próxima estação.


Muitas empresas optam por pesquisar em publicações para não arcar com custos muito elevados. Contudo, nada substitui a pesquisa in loco. As ruas, por exemplo, são locais ricos de informações que raramente são transmitidas por meio das revisas. Delas surgem idéias e fica mais simples criar em vez de copiar, uma vez que passa a ser possível absorver os conceitos de produção. Já se fazem pesquisas do Brasil com relativa garantia de qualidade de dados, mas são as viagens que tendem a enriquecer verdadeiramente as criações.


Concluída a pesquisa, o passo seguinte é colocar as idéias no papel. Na fase de criação, é importante verificar se há tecidos que casem com as idéias. As confecções costumam receber visitas regulares de representantes de fábricas de tecelagem, que apresentam cartelas com todos os padrões disponíveis para a próxima estação. Algumas vezes, acontece de o estilista não encontrar um determinado tecido e ter de optar pela importação.


Depois das padronagens encomendadas e das roupas traçadas, é a vez do modelista entrar em cena. Com seu trabalho ele amplia e coloca na proporção correta o desenho do estilista. Quando o molde está pronto, ele é entregue a uma pilotista, como é chamada a costureira encarregada de fazer as primeiras peças de uma coleção. Depois de montada, a roupa passa pelo processo de prova. Pode acontecer de a peça ser refeita até três vezes para ficar exatamente como foi idealizada.


Com o aval da estilista e da modelista, é a vez de a peça entrar em produção. Uma coleção de roupas, em geral, não tem menos de oitenta peças. Um grande criador pode chegar a ter ate trezentas unidades. Essa etapa envolve todos os funcionários da confecção, dos cortadores às acabadeiras, passando pelas costureiras e passadeiras. O trabalho tem de ser absolutamente sincronizado para que a produção não atrase, nenhum funcionário fique sem ter o que fazer e não falte produto nas lojas, de forma que possibilite respostas rápidas às mudanças de tendências e às demandas do consumidor. Terminada a coleção, há ainda outro trabalho: a campanha de lançamento. Muitas vezes, é essa etapa que determina o sucesso de uma marca. Para uma boa divulgação, muitos donos de confecção estão recorrendo, cada vez mais a produtores de moda e relações públicas. Os produtores ficam responsáveis por colocar peças em jornais, revistas e catálogos e os relações públicas podem encaixar matérias e notas em mídias variadas. Um desfile bem organizado pode arrematar o processo de divulgação. O trabalho de marketing exige um investimento um pouco maior, mas em função de seu amplo alcance e apelo, pode garantir resultados importantes e bastante expressivos em termos financeiros pra uma fábrica ou griffe de moda.


Ao realizar uma pesquisa sobre inspirações de moda, o designer pode usar vários materiais como vídeos, fotografias, revistas, anotações de viagens, e ouros. Uma observação mais apurada ajuda a identificar elementos de estilo. São considerados elementos de estilo de uma estação os pontos que apareceram com maior freqüência na pesquisa de tendências, como um tipo de tecido, um comprimento de calça, um desenho de estamparia. A fotografia é muito útil neste caso, pois possibilita agrupar essas referências identificadas em painéis de tendências.


O painel de tendências é um compilado de informações, agrupadas de maneira agradável e de fácil percepção visual, para auxiliar o designer a identificar tendências para a estação. É através do painel de tendências que o designer pode visualizar quais os elementos de estilo poderá utilizar em sua coleção para que a mesma se apresente contextualizada com os demais lançamentos.

Depois de escolher o tema da coleção o designer deve revisar seus painéis de tendências e selecionar quais elementos de estilo identificados na pesquisa poderiam ser usados para compor uma coleção sobre o tema escolhido. Por exemplo: um designer escolheu “índios norte-americanos” como tema de coleção. Ao revisar as tendências pesquisadas selecionou os seguintes elementos de estilo para usar na coleção: acessórios com pedra turquesa, couro envelhecido, camurça, tiras de couro usadas como costura em “X”, franjas de couro, etc... Selecionando dessa maneira estará eliminando elementos de estilo que não condizem com o tema, tais como estampas em cashmere.


Embora esses outros elementos sejam tendência de moda também, não fazem parte do universo do tema escolhido.


É comum empresas apresentarem grandes coleções, com produtos agrupados por temas, como se fossem subcoleções. Essa estratégia é válida para empresas que procuram cobrir todas as tendências de uma estação. Na verdade a confeção estará trabalhando várias coleções simultâneas, cada uma com um tema.

Como a moda encontra inspiração em outras épocas?

Se inspirar na moda dos anos passados, exprime um certo desejo de parar no tempo.

De encontrar no passado, motivos para viver o presente.

Usar formas, cores, tendências usadas no passado, sendo este distante ou não, significa uma certa fuga da realidade, insatisfatória.

Além do que, as imagens de roupas antigas são, com certeza, uma ampla fonte de inspiração.

Tradição e modernidade

Renda, nanduti e outras interferências projetam texturas diferenciadas, ponto de destaque da moda atual

Em tempos de modelagem geometrizada, cortes retos e poucos adornos, grande parte das atenções se volta para as superfícies. É nesta hora que ressurgem técnicas tradicionalíssimas, algumas quase em desuso, que têm o status revigorado pela capacidade de criar efeitos singulares.



Há algumas estações as rendas entraram nesta lista, migrando da roupa de ocasião ou de estilo folk para a urbana e casual. Com isso, seu uso cresceu aceleradamente e elas continuam firmes como tendência para próximas estações. Uma delas, o nhanduti, ou "teia de aranha", em guarani - também conhecido como nanduti -, é de origem espanhola e se espalhou pelas américas no período colonial. Ela é construída em teares ou bastidores. O resultado é muito semelhante à tenerife, com a diferença que esta é construída sobre o próprio tecido, contando e desfiando os fios. A designer argentina Juana de Arco dá dimensão contemporânea à nanduti, montando vestidos e outras peças com partes coloridas da renda tradicional.



Outros recursos que andam despertando interesse e devem continuar em alta são os pequenos volumes, obtidos com técnicas manuais. Os antigos favos, eternizados na roupa tradicional gaúcha, são um deles. Ponto a ponto, a superfície que era plana projeta-se, ganha inserção de outros elementos e o que era do passado vira estilo e negócio no presente.



A cor em nosso dia-a-dia

A cor influencia diretamente em diversos fatores do ser humano, como pressão sanguinea, respiração, pulsação...

A tonalidade, a proporção e o efeito com que a cor exerce sobre nossos olhos podem mudar do nosso humor até o nosso jeito de pensar.

Assim como existem determinadas roupas para certos ambientes também existem cores, indicadas ou não para certos locais.
As cores possuem significados pré-estabelecidos peceptiveis.

O branco, indica pureza, nobreza, superioridade! Talvez porque suje com facilidade ou pó,r sua associação à infância o branco sugere delicadeza, limpeza...

O preto é a cor da noite, da escuridão.

O cinza é umacor indefinida, combinação dos opostos, preto e branco. Dependendo da tonalidade sugere convencionalidade, timidez...Pode ser forte e dominante, ou inocente e refinado.

O vermelho é a cor do sangue, da paixão, da sensualidade, do desejo. Também dependendo da tonalidade, sugere diversas interpretações, que vão do sensual à inocência.

O amarelo é associado à luz, à animação. Cor comum em roupas de bebês e crianças. Amarelo reflete otimismo, energia.

O azul representa a fé, a harmonia, a serenidade. Cor da paz, do relaxamento, da tranqüilidade.

Projetando moda: diretrizes para a concepção de produtos

O universo da Moda é um campo em crescente exploração, entretanto, crescer exige planejamento e gerenciamento de riscos, para que tal criatividade não se perca em experiências puramente intuitivas.
A cultura da copia vem sendo substituída aos poucos pela cultura da inovação.

É preciso ir alem das revistas de moda, mergulhar no universo consumidor, e interpretá-lo, delimitando suas tendências peculiares.A estrutura projetual se caracteriza por uma cadeia de operações do pensamento, que pode ocorrer sucessivamente inúmeras vezes. Pode-se dividir o desenvolvimento de produtos de moda em quatro fases:

- Planejamento – Coleta e analise de informações que darão subsídios às decisões tomadas no decorrer do processo.

- Geração de Alternativas – Possibilidades de produtos e idéias materializadas por meio de experimentos concretos.

- Avaliação e detalhamento – As alternativas são selecionadas de acordo com os critérios do projeto. Ressalta-se que a relação de uso entre produto e usuário será influenciada por inúmeros fatores.

- Produção – O projeto entra em fase refinada de elaboração, definindo-se todas as matrizes para a produção seriada.


Apesar da inovação constante em produtos de moda, é preciso manter a essência da marca, a linguagem que o consumidor conhece e assimila.  Ficar à mercê da inspiração não é recomendável para uma área na qual velocidade e dinamismo são essenciais.